Claudia Codeço é pesquisadora do Programa de Computação Científica (PROCC) da Fiocruz e coordenadora do Info Dengue Rio

Sistema de monitoramento online da dengue desenvolvido pela Fiocruz e pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) fornece informações estratégicas em tempo real sobre a doença para a Prefeitura do Rio

Em operação desde o início do ano, o sistema de monitoramento online da dengue desenvolvido pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) vem abastecendo a Prefeitura do Rio de Janeiro de informações estratégicas sobre a evolução da doença em tempo real no município. Mas os pesquisadores envolvidos no projeto querem mais. Já está em negociação com o poder público a inclusão de pelo menos outras duas doenças emergentes, transmitidas pelo mesmo vetor que a dengue: a chikungunya e o Zika vírus.

Atualmente, as informações reunidas pelas diferentes equipes envolvidas no projeto estão disponíveis para o público no portal Info Dengue Rio. Com uma longa tradição de modelagem de dados em vigilância, os pesquisadores do Programa de Computação Científica (PROCC) da Fiocruz e seus colegas da Escola de Matemática Aplicada da Fundação Getúlio Vargas (EMAp) da FGV processam os dados sobre doentes enviados pela Prefeitura do Rio de forma a ter um mapa sempre atualizado sobre a dengue.

Para se traçar um cenário ainda mais preciso da doença no município, os dados da Prefeitura do Rio são cruzados com os indicadores de menção a dengue no Twiiter, a partir do trabalho realizado pelo Observatório de Dengue da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), e com os dados climáticos produzidos pelo Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden). Coordenadora do Info Dengue Rio, a pesquisadora do PROCC da Fiocruz Claudia Codeço comenta a complexidade e a importância do projeto.

"A parceria com o poder público é fundamental para o sucesso do projeto. O programa passou por uma fase inicial de testes e sofreu pequenos ajustes. A análise de dados em Saúde sempre foi feita de maneira muito retrospectiva, olhando os dados do passado. O nosso desafio é realizar uma predição, de pelo menos uma semana, para oferecer à prefeitura informação de qualidade para a tomada de decisão", disse Claudia, que usa o exemplo da meteorologia para ilustrar o tipo de previsão realizada pelo Info Dengue Rio.

Com a consolidação do sistema, a pesquisadora do PROCC explica que o monitoramento da dengue também pode ser realizado por outros municípios do Brasil, dependendo apenas de novas parcerias com prefeituras pelo país. No estado do Rio de Janeiro, por exemplo, a equipe do projeto gostaria de alcançar em breve o monitoramento de toda a Região Metropolitana. As negociações com as prefeituras de Belo Horizonte e Curitiba já estão adiantadas. A meta mais audaciosa agora é adaptar o modelo vigente para incluir outras doenças.

O primeiro passo, de acordo com Claudia Codeço, é acrescentar os dados sobre a chikungunya e o Zika vírus, que chegaram há pouco tempo no país, manifestam sintomas que se confundem com os da dengue e também são transmitidos pelo Aedes aegypti.

"O fato de a gente conseguir acompanhar semanalmente o que está acontecendo com a dengue permite uma resposta mais imediata e eficaz do poder público. A inclusão de outros agravos no sistema é um caminho natural, mas gera novos desafios metodológicos. A proposta já existe e nós estamos conversando e estruturando o processo para oferecer a mesma informação de qualidade que oferecemos hoje no caso da dengue", afirma.

A pesquisadora do PROCC da Fiocruz adianta também que faz parte dos planos da equipe estender o sistema de monitoramento online para a Influenza e demais doenças respiratórias. Outros mecanismos de interação, típicos de redes sociais, também devem vir a fazer parte do sistema, de modo a oferecer informação de qualidade não somente ao poder público, mas também ao cidadão que acessa o portal do Info Dengue Rio.

"Esse projeto é um desafio para nós, pesquisadores, porque nos tira um pouco da vertente acadêmica e nos coloca em contato com o mundo real. Ciência é justamente esse ato de conhecer o mundo. Tanto em termos de cidadania quanto em termos de atividade de extensão, essa tem sido uma ótima experiência para todos nós", completa Claudia Codeço.

César Guerra Chevrand
Agência Fiocruz

Pin It