Saúde

Pramipexol

O Instituto de Tecnologia em Fármacos (Farmanguinhos/Fiocruz) iniciou a distribuição do dicloridrato de pramipexol, medicamento usado no tratamento de pacientes com doença de Parkinson. No total, serão enviadas mais de 20 milhões de unidades farmacêuticas para atender a uma demanda emergencial solicitada pelo Ministério da Saúde a fim de suprir a falta momentânea no Sistema Único de Saúde (SUS).

Essa distribuição emergencial demonstra a capacidade técnica da instituição, que, mais uma vez, atua de forma estratégica para o país, possibilitando o acesso dos pacientes ao tratamento na rede pública de saúde. O pramipexol é fruto de uma Parceria de Desenvolvimento Produtivo (PDP), em que a farmacêutica multinacional Boehringer Ingelheim transfere a tecnologia para Farmanguinhos.

Segundo o

Simpósio de Hepatites Virais

O ambulatório de Hepatites Virais do Centro de Pesquisa em Medicina Tropical de Rondônia (Cepem) alcançou, em 2019, o número de 7.377 pacientes crônicos cadastrados. Só neste ano, entre os meses de janeiro e junho, 130 novos casos foram registrados no ambulatório, a maioria de hepatite B. A doença não tem cura e o tratamento tem muito a avançar.

Os dados foram apresentados durante o 1º Simpósio de Hepatites Virais de Rondônia, promovido pela Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa) e pela Fiocruz Rondônia, entre os dias 3, 4 e 5 de julho, em Porto Velho. O evento contou com a participação de mais de 200 pessoas, entre estudantes, pesquisadores e profissionais da saúde, de

cigarros eletrônicos

O uso de cigarros eletrônicos aumentou, principalmente entre estudantes dos níveis Médio e Fundamental nos Estados Unidos. No Brasil, a prevalência de uso é muito baixa, devido à proibição, desde 2009. Mas, a sua comercialização on-line, até mesmo por grandes lojas de departamento, ocorre livremente para crianças e adolescentes. O alerta vem de um artigo do Cadernos de Saúde Pública.

De acordo com o artigo Por que os cigarros eletrônicos são uma ameaça à saúde pública?, dos pesquisadores Andre Luiz Oliveira da Silva e Josino Costa Moreira, em outubro de 2018, o U.S. Food and Drug Administration (FDA) realizou uma ação na sede da empresa fabricante dos cigarros eletrônicos da marca Juul, onde milhares de

exame de composição corporal por densitrometria

Avaliar a composição corporal de pessoas com mais de 65 anos – particularmente a massa muscular localizada nos braços e nas pernas (apendicular) – pode ser uma estratégia eficaz para estimar a longevidade, mostrou um estudo feito na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FM-USP).

Depois de acompanhar um grupo de 839 idosos ao longo de aproximadamente quatro anos, os pesquisadores observaram que o risco de mortalidade geral durante o período foi quase 63 vezes maior entre as mulheres com pouca massa muscular apendicular. Entre os homens que já na primeira avaliação apresentavam baixa porcentagem de músculos nos membros, a chance de morrer foi 11,4 vezes maior.

Resultados da pesquisa, apoiada pela FAPESP,

Pesquisador da Fiocruz Rondônia

Os casos de envenenamento com serpentes (acidentes ofídicos) são muito comuns, especialmente, em ambientes rurais. O Sistema de Informação de Agravo de Notificação (Sinan), do Ministério da Saúde, aponta aumento no índice de acidentes com serpentes, nos últimos 3 anos, em todo o país. Entre 2016 e 2018, foram registrados 84.241 acidentes. Em Rondônia, no mesmo período, foram contabilizados 1.546 acidentes com serpentes.

A única unidade que é referência, no estado, em doenças tropicais, o Centro de Medicina Tropical (Cemetron), realizou, em 2017, 169 notificações de acidentes ofídicos em Porto Velho, contra 219 em 2018. De janeiro a março deste ano, 63 casos foram notificados na capital e uma pessoa morreu por complicações após o

tuberculose na China e na Índia

A apresentação clínica de pacientes com tuberculose é muito diversificada e a heterogeneidade da doença está associada a mudanças nas assinaturas de biomarcadores, que são indicadores mensuráveis da severidade ou da presença de algum estado de doença. 

Em um estudo liderado por pesquisador da Fiocruz Bahia, Bruno de Bezerril Andrade, foram comparados a extensão da perturbação inflamatória individual da proteína plasmática e mediadores lipídicos ao nível molecular associados à tuberculose em pacientes na China e Índia, países entre os cinco com maior números de caso da doença. O artigo foi publicado na Scientific Reports

No trabalho, foi realizado um corte transversal analisando o grau geral de perturbação inflamatória em tuberculose pulmonar sem tratamento prévio em

seminário internacional Cannabis medicinal

Durante a 2ª edição do seminário internacional Cannabis medicinal: um olhar para o futuro, na mesa Dissecando as bases científicas da Cannabis medicinal (29/6) foram apresentadas pesquisas básicas que mostram o grande potencial das substâncias da cannabis. As evidências científicas apontam que pacientes de diversas doenças, como esclerose múltipla, depressão, doença de Parkinson e transtorno de ansiedade, poderiam se beneficiar dos canabinóides.

A farmacêutica Luzia Sampaio, do Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), mostrou sua pesquisa sobre uso do extrato de canabidiol no tratamento de doenças neurológias. Os resultados dos estudos, feitos com ratos mantidos em tratamento por duas semanas, atestam que não há comprometimento no ganho

jogo de tabuleiro

O jogo de tabuleiro “Guerra dos Patógenos – Os parasitas atacam”, desenvolvido pelo projeto de extensão universitária “Patógenos em Jogo”, conduzido na Escola Paulista de Medicina (EPM) da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), permite ao usuário aprender sobre diversas doenças causadas por parasitas, ao mesmo tempo em que se exercitam elementos de outras matérias como Geografia e Matemática .

Segundo os responsáveis pelo projeto, “Guerra dos Patógenos” mostra como prevenir e como são propagadas diversas doenças infecciosas por meio de uma guerra repleta de batalhas.

O jogo é constituído por uma plataforma física composta de um tabuleiro mapa-múndi dividido em sete regiões com seus respectivos marcadores. Também são utilizados pinos coloridos (representando os jogadores),

Lieve Fransen

A Fiocruz recebeu (27 e 28 de junho) a visita da consultora sênior da Comissão Europeia em políticas de saúde, sociais e de migração, Lieve Fransen. A consultora se reuniu com representantes da Fiocruz para debater a realização da próxima Conferência Global sobre Tecnologia e Inovação Sustentáveis (G-STIC), que acontece no final do ano, em Bruxelas e da qual a Fiocruz é co-anfitriã. Ela aproveitou a ocasião para conhecer as instalações do campus de Manguinhos (RJ) e discutir possíveis colaborações internacionais da Fundação.

Fransen começou sua carreira como médica, trabalhando em países africanos, como Moçambique, Cabo Verde e Ruanda, e se especializou em medicina tropical. Posteriormente, trabalhou com políticas públicas para saúde em organismos internacionais,

agricultor

O Brasil é campeão mundial de uso de agrotóxicos, sendo que, em 2019, sua liberação foi significativa. Publicada na edição de junho de 2019 da revista Ciência & Saúde Coletiva, uma pesquisa da Escola Nacional de Saúde Pública (Ensp/Fiocruz) sugere que a exposição crônica a pesticidas de organoclorados (CO) e certos pesticidas não persistentes poderia levar à redução no número de diferentes glóbulos brancos de população agrícola de Farroupilha (RS).

Segundo a pesquisa, cerca da metade da população em foco relata mais de vinte e cinco anos de trabalho agrícola, 55% tinham misturado ou aplicado pesticidas há mais de dez anos, e 37% tinham pesticidas mistos / aplicados com uma frequência média maior ou igual

Biossensor

Uma tecnologia de baixo custo para diagnosticar de forma rápida e precisa o vírus zika foi desenvolvida por pesquisadores ligados ao Centro de Desenvolvimento de Materiais Funcionais (CDMF), um Centro de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPID) apoiado pela FAPESP e sediado na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

Resultados da pesquisa foram publicados nas revistas Scientific Reports e Talanta.

O grupo, liderado por Talita Mazon, do Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer, em Campinas, desenvolveu um biossensor portátil, econômico e simples de usar – ideal para aplicações no ponto de atendimento. O custo estimado do dispositivo é de R$ 450.

Uma placa de circuito impresso comumente usada em aparelhos eletrônicos foi modificada