Saúde

pesquisador Ricardo Ximenes

O Consórcio Nacional de Coortes* de Zika (Crianças e Gestantes) se reuniu (1º e 2/10) na Fiocruz Pernambuco. Estruturada dentro da Rede Nacional de Especialistas em Zika e Doenças Correlatas (Renezika), a iniciativa reúne 22 grupos de pesquisas, provenientes de todas as regiões do país. As equipes que o integram foram selecionadas através de Chamada Pública, realizada em 2016, pelo Ministério da Saúde. A Renezika é coordenada pelo Departamento de Ciência e Tecnologia da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos (Decit/SCTIE/MS).

“A criação do Consórcio veio atender a uma necessidade do Ministério da Saúde de agregar dados mais robustos e realizar uma análise mais profunda dos dados colhidos pelos diferentes grupos de pesquisas de coorte

Especialistas de diversos centros de pesquisa

O inverno já passou, mas a vigilância das doenças cujo pico de transmissão ocorre na estação mais fria do ano não para. De olho no histórico dos dados epidemiológicos de Influenza e buscando antecipar possíveis cenários, cerca de 20 especialistas de diversos centros de pesquisa e saúde do país se reuniram na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) na última sexta-feira (4/10). O Laboratório de Vírus Respiratório e do Sarampo do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) foi o anfitrião da iniciativa.

Dentre os presentes, estava o diretor do Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis (Devit) da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Julio Croda. Participaram, também, representantes da Coordenação-geral de Laboratórios de Saúde Pública e

sansão-do-campo

Os fungos do gênero Candida causam uma doença bastante comum em humanos, a candidíase ou monilíase. Em pessoas com baixa imunidade, principalmente em ambiente hospitalar, a infecção pode ser mortal. Embora o medicamento mais usado para combatê-la seja eficiente em grande parte dos casos, algumas variedades do patógeno apresentam resistência.

Agora, pesquisadores do Brasil e da Espanha conseguiram isolar compostos presentes no sansão-do-campo (Mimosa caesalpiniifolia) – uma planta do Cerrado também conhecida como cerca-viva – que combatem duas espécies de Candida. A ideia é criar uma pomada que possa ser usada como alternativa ao fluconazol, antimicótico há mais de duas décadas considerado a melhor alternativa contra a candidíase. A infecção pode causar coceira e dor

Paulo Buss

Nas últimas décadas, a saúde na Região das Américas melhorou drasticamente, mas muitas pessoas estão sendo deixadas para trás. Esta é uma das principais conclusões do relatório Sociedades justas: Equidade em saúde e vida com dignidade lançado na terça-feira (1/10), durante a 57ª reunião do Conselho Diretivo da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas/OMS), que acontece nesta semana na sede da Opas, em Washington.

O relatório reúne evidências da relação entre saúde e fatores sociais, como a posição socioeconômica, a etnia, o gênero, a orientação sexual, a condição de deficiência, a situação de migrante - individualmente ou em combinação. Outros fatores estruturais, como a mudança climática, as ameaças ambientais e a relação da pessoa com a terra, também

Análise filogenômica

Pesquisadores identificaram em pacientes atendidos no Hospital Universitário de Sergipe, em Aracaju, uma nova espécie de parasita capaz de causar uma doença semelhante à leishmaniose visceral, porém refratária aos tratamentos disponíveis. Ao menos uma pessoa morreu em decorrência de complicações relacionadas à infecção.

Resultados da pesquisa, apoiada pela FAPESP, foram divulgados nesta segunda-feira (30/9) na revista Emerging Infectious Diseases. Os dados da análise filogenômica, que permite construir árvores evolutivas com base em dados de sequenciamento, indicam que o protozoário recém-descoberto não pertence ao gênero Leishmania, composto por mais de 20 espécies causadoras de três diferentes tipos de leishmaniose: visceral, cutânea e difusa (que causa lesões na pele e nas mucosas).

“Do ponto de vista filogenético,

Fiocruz inaugura laboratório

O Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos/Fiocruz) deu um importante passo na sua capacidade de análise de amostras clínicas, com a inauguração (20/9) do Laboratório de Virologia para Análise de Amostras Clínicas. O espaço é resultado do acordo de codesenvolvimento da vacina inativada para dengue com a GSK. A iniciativa do desenvolvimento da vacina foi descontinuada em 2017, porém o projeto visa adicionalmente a capacitação de Bio-Manguinhos em diversas frentes, como infraestrutura, o que resultou na construção de um laboratório BPLC no segundar andar do Pavilhão Rocha Lima, em Manguinhos (RJ).

A inauguração contou com as presenças de José Carlos Felner, general manager da GSK no Brasil; Nísia Trindade Lima, presidente da Fiocruz; Mauricio Zuma,

Queimadas na Amazônia

A Fiocruz, em estudo coordenado pelo Instituto de Comunicação e Informação em Saúde (Icict), mapeou o impacto das queimadas para a saúde infantil na região amazônica. A pesquisa concluiu que, nas áreas mais afetadas pelo fogo, o número de crianças internadas com problemas respiratórios dobrou. Foram cerca de 2,5 mil internações a mais, por mês, em maio e junho de 2019, em aproximadamente 100 municípios da Amazônia Legal, em especial nos estados do Pará, Rondônia, Maranhão e Mato Grosso - o que acarretou custo excedente de R$ 1,5 milhão ao Sistema Único de Saúde (SUS). De acordo com pesquisas, viver em uma cidade próxima aos focos de incêndio aumenta em 36% o risco de se internar

 Marco Krieger

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e a DNDi celebraram, durante evento no Rio de Janeiro, os resultados de projeto colaborativo voltado para doenças negligenciadas. Parceiras desde 2015, as instituições reafirmaram o desejo de levar medicamentos eficazes, seguros e acessíveis às populações que sofrem com doença de Chagas e leishmanioses.

“O BNDES dá alto valor a este tipo de investimento que transforma a vida das pessoas que não tem acesso a soluções de saúde adequadas, e as doenças negligenciadas continuam no radar do banco”, afirmou Sandro Ambrosio da Silva, Gerente do Departamento do Complexo Industrial e de Serviços de Saúde do BNDES.

As doenças negligenciadas afetam bilhões

revista Radis

Luiza ainda não era nascida quando o sanitarista Sergio Arouca proferiu o célebre discurso na 8ª Conferência Nacional de Saúde (CNS), em 1986, que sintetizava a ideia de que “democracia é saúde”. O país vivia o contexto de fim da ditadura militar, implantada com o golpe de 1964, e a fala do então presidente da Fiocruz se tornou um símbolo da luta pela criação do Sistema Único de Saúde (SUS) e também em defesa da democracia. Trinta e três anos depois da 8ª, a estudante Luiza Melo, nascida na cidade de Bezerros, no Agreste pernambucano, participa de sua primeira Conferência Nacional de Saúde, a 16ª, aos 22 anos, e questiona os limites da também jovem

Atenção Primária à Saúde

Fruto de parceria entre Fiocruz Brasília, Secretaria de Saúde do DF e a Universidade de Brasília (UnB), foi lançado (24/9) o projeto Qualis APS. Entre seus objetivos, está o de qualificar e melhorar os processos de trabalho, a gestão e os serviços prestados na Atenção Primária à Saúde (APS). Para isso, será realizado diagnóstico inicial da APS no DF, capacitação de gestores e profissionais de saúde, monitoramento e avaliação.

“A atenção primária à saúde é a porta de entrada do [Sistema Único de Saúde] SUS. Ela é essencial para um desenvolvimento sustentável e o cumprimento da Agenda 2030. Assumimos o compromisso no DF de construir uma saúde sustentável a partir dos indicadores sociais e econômicos voltados para

revista Cadernos de Saúde Pública

A revista Cadernos de Saúde Pública (CSP) de setembro destaca o debate sobre o impacto orçamentário nos sistemas de saúde de caráter público e suplementar ao incorporar os medicamentos para as doenças raras, que já são mais de 7 mil identificadas, e representam de 6 a 10% de todas as enfermidades no mundo. “Por necessitarem de elevado investimento na pesquisa tecnológica para o seu desenvolvimento, são pouco lucrativos para as indústrias farmacêuticas”.

De acordo com a professora visitante da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Anete Trajman, que assina o editorial do fascículo, a cada ano, cerca de 250 novas doenças raras são descritas, com o refinamento do conhecimento da fisiopatologia e a abordagem genômica