Saúde

Aedes aegypti com Wolbachia

O WMP Brasil avança em Niterói e cinco novos bairros começarão a receber os mosquitos com Wolbachia, aliados no combate à dengue, zika, chikungunya. Fonseca, Engenhoca, Cubango, Santana e São Lourenço entram na lista dos locais que receberão Aedes aegypti com Wolbachia.

Esta metodologia inovadora, sem fins lucrativos, autossustentável e complementar, que ajuda a reduzir as doenças transmitidas pelo Aedes aegypti começa a ser implementada nestes bairros no início de setembro. As liberações dos mosquitos serão feitas durantes 16 semanas por técnicos da Fiocruz, em carro identificado e também por Agentes de Saúde da Prefeitura de Niterói, em pontos mapeados e pré-determinados. Após algumas semanas de liberação, armadilhas usadas para capturar mosquitos serão instaladas em residências

revista BioMed Research International

A amebíase é uma infecção causada por um parasita de nome científico Entamoeba histolytica, mais popularmente conhecido como ameba, que pode provocar a invasão de tecidos, originando as formas intestinal e extra-intestinal da doença. A principal forma de transmissão é a ingestão de alimentos ou água contaminados.

A prevalência da E. histolytica é superestimada devido à sua semelhança com outras espécies de formas idênticas, como a Entamoeba dispar e a Entamoeba moshkovskii, formando o complexo E. histolytica/E. dispar/E. moshkovskii

Um estudo, que contou com a participação do pesquisador Fred Luciano Neves Santos, da Fiocruz Bahia, teve como objetivo avaliar a frequência das espécies deste complexo, através de técnicas moleculares e imunológicas, em indivíduos atendidos em

monitoramento e avaliação em saúde pública

A Escola Nacional de Saúde Pública (Ensp/Fiocruz) acaba de lançar o recurso educacional em formato digital Proposta Pedagógica: Monitoramento e Avaliação para Ação em Saúde Pública. A ferramenta é fruto de uma série de esforços do Laboratório de Avaliação de Situações Endêmicas Regionais (Laser) do Departamento de Endemias Samuel Pessoa (Densp/Ensp) para a qualificação de profissionais inseridos no Sistema Único de Saúde (SUS), com vistas a institucionalizar o monitoramento e a avaliação na prática da gestão de programas de controle de processos endêmicos. Tal iniciativa, que está em acesso livre para todos os interessados no tema, é uma produção conjunta do Laser/Densp com a Coordenação de Desenvolvimento EducacionaI e Educação a Distância da Escola (Cdead/Ensp) e a

hipermucoviscosidade

Bactérias da espécie Klebsiella pneumoniae estão entre os microrganismos que mais causam infecções hospitalares e também entre os que mais têm desenvolvido resistência a antibióticos nos últimos anos.

Pertence ao grupo, por exemplo, a KPC (Klebsiella pneumoniae carbapenemase), que ganhou a alcunha de superbactéria por produzir uma enzima capaz de inativar os fármacos mais potentes disponíveis para o tratamento de infecções graves.

Um estudo recente apoiado pela FAPESP e publicado no Journal of Global Antimicrobial Resistance mostrou que patógenos multirresistentes – inclusive as produtoras de KPC – já não são um problema restrito ao ambiente hospitalar no Brasil.

Ao analisar espécimes de K. pneumoniae isolados da urina de 48 pessoas diagnosticadas com infecção urinária na

Estudo

Os determinantes das diversas apresentações clínicas da malária não são completamente entendidos. Estudos prévios desenvolvidos pelos pesquisadores da Fiocruz Bahia, Manoel Barral Netto e Bruno Bezerril Andrade, relataram que a coinfecção por malária e hepatite B está associada ao aumento da probabilidade de apresentar malária assintomática, mas pouco se conhece sobre os mecanismos imunitários que conduzem essa associação.

Um novo estudo coordenado pelo pesquisador Bruno Bezerril Andrade analisou múltiplas citocinas, quimiocinas e proteínas de fase aguda, em grupos de pacientes com diferentes apresentações de infecção por malária, por hepatite e com ambas as enfermidades, com sintomas e sem sintomas. O artigo foi publicado na PLOS Neglected Tropical Diseases.  

Foram analisadas amostras de sangue de

Trabalho, Educação e Saúde

Na terceira edição de 2019 de Trabalho, Educação e Saúde, revista científica editada pela Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Fiocruz), o editorial assinado por Vitor Henrique Pinto Ido, do South Centre, em Genebra, na Suíça, traz uma análise sobre a resolução inédita da Organização Mundial da Saúde (OMS), de maio deste ano, que estabeleceu a transparência quanto a custos e preços de medicamentos, vacinas e outros produtos médicos do setor farmacêutico. Desta forma, aumenta-se não apenas o controle social sobre o funcionamento das indústrias farmacêuticas, mas também a capacidade de negociação de compras públicas a preços diferenciados para países em desenvolvimento, com menor orçamento disponível, fato que pode ampliar o acesso a medicamentos.

Este

vacinação

É menos provável que o sarampo tenha sido reintroduzido a partir de casos provenientes da Venezuela. Retorno da doença chama atenção para importância da cobertura vacinal

A cobertura da vacina contra sarampo, caxumba e rubéola, ou tríplice viral (SCR), caiu significativamente no Brasil e no Estado de São Paulo nos últimos anos e esta pode ser uma das razões do atual surto de sarampo na capital e no Estado, cujos primeiros casos apareceram em março deste ano. O sorotipo circulante entre os paulistas é o D8, prevalente em países da Europa. Por isso, é mais provável que o vírus do sarampo tenha sido reintroduzido em São Paulo a partir de casos provenientes daqueles países e

Fumarato de Tenofovir Desoproxila + Lamivudina

O Instituto de Tecnologia em Fármacos (Farmanguinhos/Fiocruz) foi incluído como local de fabricação do Fumarato de Tenofovir Desoproxila + Lamivudina (300+300) mg, genérico do Duplivir, assim denominado por reunir os dois princípios ativos em um único comprimido. A confirmação foi emitida, na última quinta-feira (8/8), pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Com isso, o Instituto passa a executar todo o processo produtivo deste importante antirretroviral, usado por pessoas que vivem com HIV/Aids.

Trata-se de uma grande conquista para a Fundação, já que representa a conclusão de mais uma Parceria de Desenvolvimento Produtivo (PDP). No ano passado, o Instituto já havia finalizado a absorção tecnológica do imunossupressor Tacrolimo.

Segundo o diretor de Farmanguinhos/Fiocruz, Jorge Mendonça,

controle das leishmanioses

Diretrizes para diagnóstico, tratamento, vigilância e controle das leishmanioses são apresentadas no Manual de Procedimentos para Vigilância e Controle das Leishmanioses nas Américas, publicado pela Organização Pan-Americana da Saúde (Opas). Voltada para gestores e profissionais dos serviços de saúde, a publicação define critérios e padroniza procedimentos com base em evidências científicas, considerando especialmente os dados locais. O documento é elaborado pela Opas em parceria com os Ministérios da Saúde dos países da região e especialistas, incluindo pesquisadores do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz).

“O ‘Manual’ visa ampliar o conhecimento que se tem sobre as leishmanioses nas Américas e apoiar os gestores e profissionais de saúde bem como organizar e estruturar os serviços, tornando essas ações mais

testes em amostras

Um estudo desenvolvido por pesquisadores do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) e da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) aponta uma metodologia que pode facilitar o diagnóstico e o acompanhamento de pacientes infectados com a bactéria causadora da tuberculose. Combinando dois testes comercialmente disponíveis, a técnica é capaz de diferenciar casos de infecção latente – nos quais a bactéria é controlada pelo sistema imune e permanece ‘adormecida’, sem provocar adoecimento – e a forma ativa da doença – onde o paciente apresenta os sintomas do agravo, como tosse, febre e emagrecimento.

“Considerando as tecnologias disponíveis atualmente, essa metodologia pode ser a base para a produção de um teste rápido do tipo ‘lab on a

relatório de pesquisa

Está disponível on-line a íntegra do relatório de pesquisa Tecnologias de retirada de drogas psiquiátricas, realizada pelos pesquisadores Fernando Freitas e Camila Motta Gomes, fruto de parceria entre o Laboratório de Estudos e Pesquisas em Saúde Mental da Escola Nacional de Saúde Pública (Ensp/Fiocruz) e o Centro de Estudos Estratégicos (CEE/Fiocruz). A pesquisa buscou identificar a percepção da comunidade científica a respeito da viabilidade de tecnologias de redução segura e eficaz do uso de antidepressivos.

Segundo o pesquisador da Ensp, Fernando Freitas, a medicalização em psiquiatria tem se mostrado uma tendência internacional forte e transformado situações normais do cotidiano em problemas de saúde, principalmente, saúde mental. "Hoje, a tristeza virou depressão e como tal uma doença passível