Sociedade

Cadernos de Saúde Pública

Por meio da Medida Provisória nº 870 (MP 870), editada pelo presidente Jair Bolsonaro, o Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea) foi extinto. Para Inês Rugani Ribeiro de Castro, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, a medida compromete processos de garantia do Direito Humano à Alimentação Adequada em todas as esferas de governo. Ela produziu o editorial do Cadernos de Saúde Pública de fevereiro de 2019, onde afirma ser preocupante essa medida do Governo Federal em um cenário de crise econômica aliada a uma política de austeridade fiscal, marcado pelo desmonte de políticas sociais e pelo estancamento ou piora de indicadores sensíveis à degradação das condições de vida, como o recrudescimento

imigrantes na fronteira da Grécia e Macedônia

O estudo das migrações humanas tem se transformado e se expandido enormemente nos últimos 30 anos. Na avaliação de Paul Statham, diretor do Sussex Centre for Migration Research da University of Sussex, no Reino Unido, um dos motivos é o fato de o tema estar no centro das mudanças sociais decorrentes da globalização.

Statham falou sobre o assunto no dia 12 de fevereiro, durante a FAPESP Week London, simpósio realizado na Royal Society, no centro da capital londrina.

“As migrações têm se tornado uma lente pela qual as pessoas enxergam o mundo e percebem que ele está mudando. E isso pode ser bom, por exemplo, em casos de respostas humanitárias, quando pessoas são forçadas a

metrópole

Quem governa o quê e quem governa o que o governo não governa. É o que pretende esclarecer um projeto de pesquisa do Centro de Estudos da Metrópole (CEM), um Centro de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPID) da FAPESP.

“Estudamos a governança nos diferentes campos políticos das cidades, considerando os atores estatais e não estatais conectados por laços formais e informais, legais e ilegais e rodeados por instituições e espaços urbanos específicos e historicamente construídos”, disse Eduardo Marques, vice-coordenador do CEM, na FAPESP Week London, realizada nos dias 11 e 12 de fevereiro na Royal Society, no centro da capital londrina.

“A Organização das Nações Unidas estimou, em 2018, que 55% da população mundial vivia

São Francisco

Com o objetivo de ofertar alternativas tecnológicas e incentivar o aparecimento de novos empreendedores na região dos Lagos do São Francisco, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e a Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf) firmaram uma parceria que visa beneficiar cerca de 4 mil produtores de 12 cidades nos estados de Alagoas, Sergipe, Pernambuco e Bahia. A iniciativa busca fomentar a produção agropecuária da população local por meio de ações integradas junto à comunidade.

Localizadas na região do submédio e do baixo São Francisco, onde estão instaladas barragens e usinas hidroelétricas, as cidades atendidas pelo projeto podem ganhar um incremento na rotina produtiva a partir do uso das potencialidades dos lagos e

vida cigana

Em agosto de 2018, um aluno de doutorado do Programa de Pós-Graduação em Informação e Comunicação em Saúde (PPGICS) do Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Icict/Fiocruz) defendia uma tese considerada por alguns como “diferente”. Orientado por Inesita Soares de Araújo (PPGICS) e co-orientado por Maria Natália Pereira Ramos, da Universidade Aberta (Uab), de Lisboa (Portugal), Aluízio de Azevedo Silva Júnior – ele mesmo um cigano da etnia Kalon – “mapeou e analisou os processos interculturais de comunicação (produção, circulação e apropriação) das políticas públicas de saúde para ciganos no Brasil e em Portugal".

Intitulada A Produção Social dos Sentidos nos Processos Interculturais de Comunicação e Saúde: a apropriação das Políticas

Christovam Barcellos

Consequências a curto, médio e longo prazos do desastre da companhia Vale, em Brumadinho, são o principal foco da entrevista coletiva concedida pelo pesquisador Christovam Barcellos, no campus Manguinhos da Fundação, durante evento sobre o tema organizado pela Presidência da Fiocruz, pela Escola Nacional de Saúde Pública (Ensp/Fiocruz) e pelo Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Icict/Fiocruz), com o apoio do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz). Barcellos, que é vice-diretor de Pesquisa, Ensino e Desenvolvimento Tecnológico e coordenador do Observatório Nacional de Clima e Saúde (ambos do Icict/Fiocruz), também aborda os desastres: da Samarco, em Mariana; de Santa Catarina, em 2008; e de Fukujima, no Japão, depois do tsunami. Confira os principais

campanha Fiocruz

O ano é 2018. O ser humano já viajou ao espaço, já pode se comunicar com qualquer lugar do mundo em tempo real, fabrica robôs, produz vacinas, desvendou o genoma humano, erradicou doenças. Fez o inimaginável, aprendeu o incompreensível. O ano é 2018. O homem voou alto, mas ainda precisa pôr em prática um dos mais básicos princípios da humanidade: o respeito à diversidade. 

A ideia de igualdade universal é muito recente: a Declaração Universal dos Direitos Humanos foi adotada pela Organização das Nações Unidas em 1948. Para reforçar esse conceito, a Fiocruz, por meio do comitê Pró-Equidade de Gênero e Raça da Fundação, com colaboração da Coordenação de Comunicação Social da Presidência da Fiocruz

Revista Poli

A primeira Revista Poli de 2019 já está disponível. A edição nº 62 da revista, de janeiro e fevereiro, traz matéria de capa sobre a violência contra as mulheres no Brasil. Especialistas entrevistados pela Poli alertam para o recrudescimento deste que é um dos maiores desafios para a saúde no país, a despeito de avanços recentes na esfera legislativa, como a Lei Maria da Penha e a Lei do Feminicídio. 

Outra matéria trata do alto número de mortes e acidentes de trabalho no Brasil, que está no topo da lista dos países com maiores números de ocorrências do tipo no mundo. A flexibilização da legislação trabalhista e a extinção do Ministério do Trabalho e Emprego,

porco

Os resultados de um projeto de pesquisa executado pela Embrapa em colaboração com especialistas de universidades foram utilizados para subsidiar a modernização dos procedimentos da Inspeção Sanitária nos frigoríficos de suínos no Brasil. O trabalho, demandado pelo Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Dipoa), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), embasou cientificamente a nova Instrução Normativa de número 79, que entrou em vigor em dezembro passado, no dia 14.

A nova regulamentação direciona o foco da inspeção sanitária para os problemas relacionados à saúde pública e atende aos programas oficiais de saúde animal, compartilhando com a indústria a responsabilidade de desclassificar as matérias-primas impróprias para o consumo por problemas de processo,

Radis

A cada ano, em todo o Brasil, o trânsito mata cerca de 40 mil pessoas. Estima-se que, para cada morte relacionada ao tráfego, sete vítimas permanecem em UTI. “O custo é imenso tanto pelas vidas perdidas quanto pelo impacto no sistema de saúde”, disse Ednilsa Ramos, pesquisadora da Escola Nacional de Saúde Pública (Ensp/Fiocruz), à matéria de capa da revista Radis de fevereiro. Ednilsa, em entrevista à repórter Ana Cláudia Peres, informou também que “o trânsito não apenas mata, ele altera vidas, deixa pessoas doentes, com incapacidades temporárias ou permanentes que precisam de ajuda e tratamento”. 

“O trânsito é uma grave questão de saúde pública que deve ser olhada também pela elevada carga de violência

Maria Isaura Pereira de QueirozMaria Isaura Pereira de Queiroz

A socióloga Maria Isaura Pereira de Queiroz, professora emérita da Universidade de São Paulo (USP), morreu no sábado (29/12), em São Paulo, aos 100 anos. Foi sepultada no Cemitério da Consolação.

Pereira de Queiroz inaugurou a temática dos estudos rurais nas ciências sociais da USP, tendo sido uma das fundadoras do Centro de Estudos Rurais e Urbanos (CERU), do qual foi diretora-presidente.

Autora de A Guerra Santa no Brasil: o movimento messiânico no Contestado (1957), O messianismo no Brasil e no Mundo (1965) e Cultura, sociedade rural e sociedade urbana no Brasil (1978), entre outros, suas obras abrangem análises sobre a reforma e a revolução por meio dos movimentos religiosos, messiânicos e do mandonismo na