Circuito BNDES Musica Brasilis

São dois concertos, que além da música de J.S.Bach e Villa-Lobos têm como atração adicional a presença no palco do próprio Mário de Andrade – ou melhor, do ator Pascoal da Conceição no papel do poeta, escritor, musicólogo e folclorista –, falando alguns de seus textos emblemáticos sobre Música.

O Circuito BNDES Musica Brasilis – a única série de espetáculos multimídia voltada exclusivamente aos repertórios brasileiros de todos os tempos – homenageia nesta que é sua sexta edição dois grandes nomes da Cultura brasileira: Mário de Andrade, pelos 70 anos de seu falecimento, e Edmundo Villani-Côrtes, que em 2015 celebra 85 anos.

Idealizado e dirigido pela cravista e pesquisadora Rosana Lanzelotte e contemplado com o patrocínio do BNDES desde a primeira edição, o Circuito chega a São Paulo com dois concertos e uma mesa redonda, sempre tendo Mário de Andrade como centro. Nada mais justo! Afinal, São Paulo é a cidade onde nasceu, viveu e morreu o autor de Paulicéia Desvairada.

"Mário de Andrade escreveu sobre todas as facetas da música e com tal qualidade que é um prazer passear pelos textos e repertórios que vão desde Bach até as Bachianas de Villa-Lobos, passando pelas modinhas e lundus, maxixes e tangos. A parceria com Villani-Côrtes se concretiza nas canções que escreveu sobre poemas de Mário”, destaca Rosana Lanzelotte.

Textos emblemáticos – Os concertos acontecem no Centro Cultural São Paulo – um na quarta-feira 7 de Outubro, às 20:30 horas; o outro – didático, mais voltado para estudantes – na sexta-feira 9 de Outubro (dia do aniversário de Mário!), às 14 horas.
        Ambos têm o mesmo programa, "De Bach às Bachianas", reunião de peças de Heitor Villa-Lobos e de Johann Sebastian Bach (estas transcritas por Villa-Lobos), fonte de inspiração para as Bachianas Brasileiras, sempre de algum modo relacionadas com Mário de Andrade. O escritor, destaque-se, se faz presente nos espetáculos através de seu símile, o ator Pascoal da Conceição, que participa interpretando textos emblemáticos de Mário sobre música.

Um desses textos:

“Villa-Lobos acha muitas analogias entre a invenção musical de Bach e a música popular brasileira, e disso derivou o seu título enigmático. [...] Há um bocado de Bach na música brasileira popular, mas o desnorteante é que há um bocado de tudo.” (Mário de Andrade em As Bachianas, artigo para O Estado de S.Paulo, 23/11/1938, incluído na segunda edição de Música, doce Música)

Responde pela parte musical o sexteto formado por Rosana Lanzelotte (pianoforte), Marcus Ribeiro (violoncelo), Rômulo Barbosa (flauta), Batista Jr. (clarinete), Tony Botelho (contrabaixo) e ainda Marília Vargas (soprano).

A configuração dos espetáculos se completa com as projeções assinadas pelo videoartista Muti Randolph de imagens inspiradas pelas formas geométricas presentes no trabalho de artistas plásticos modernistas como Candido Portinari, Lasar Segall e Cícero Dias, imagens que se movimentam de forma sincronizada com a música, transcendendo o formato habitual de concertos.

Pascoal conceicaoO ator Pascoal da Conceição, no papel de Mário de Andrade

A mesa redonda, a ser realizada na sexta-feira 2 de Outubro às 20 horas na Casa do Saber, tem o tema "Mário de Andrade e a Música". Na mesa estarão dois experts – Flávia Toni e José Miguel Wisnik –, com mediação de Rosana Lanzelotte. O foco da conversa será não o Mário de Andrade escritor e poeta mas sim o ativo pensador que em livros, críticas, artigos refletiu como poucos sobre a música, cobrindo do folclore ao que de mais moderno se fazia em sua época. Vale lembrar, a propósito, que Mário de Andrade era professor de estética musical e de piano no Conservatório Dramático Musical. Tinha sólida formação musical erudita, o quer permitiu que transcrevesse em partituras centenas de músicas folclóricas colhidas em suas viagens.

circuito bndesOs músicos que fazem os concertos paulistanos do Circuito BNDES Música Brasilis.
A partir da esquerda: Tony Botelho (contrabaixo),  Rosana Lanzelotte (pianoforte), Marília Vargas (soprano), Marcus Ribeiro (violoncelo), Batista Jr. (clarinete) e Rômulo Barbosa (flauta).

Oito cidades – Nesta sexta edição, o Circuito BNDES Musica Brasilis passa por oito cidades brasileiras, com três espetáculos diferentes. Começou na FLIP, em Paraty, RJ (2/7), seguindo depois para Manaus (11/8), Rio de Janeiro (20/08 e 16/09), João Pessoa (29/8), Cabedelo, PB (31/8) e Campina Grande, PB (01/09), e temos agora os dois concertos em São Paulo (7/10 e 9/10).

A programação se encerra com um concerto em Juiz de Fora (29/10), este focado na homenagem a Villani-Côrtes. Em Juiz de Fora, terra natal de Villani-Côrtes, o compositor se apresenta junto aos músicos. Esta será a primeira vez no Circuito em que um dos homenageados sobe ao palco para tocar.

De Bach às Bachianas – Villa-Lobos cresceu ouvindo obras de J. S. Bach tocadas pelos amigos do pai que se reuniam em sua casa duas vezes por semana. O Cravo Bem Temperado era ainda repertório habitual da tia paterna Zizinha (Maria Carolina Rangel).

No período em que compôs as Bachianas Brasileiras, entre 1930 e 1945, o compositor se dedicou em paralelo a transcrever Prelúdios e Fugas do Cravo Bem Temperado para diversas formações. São de 1930 as transcrições para violoncelo e piano dos Prelúdio nº 8 (Vol. I), Fuga nº 10 (Vol. I) e Prelúdio nº 14 (Vol. II).

“Villa-Lobos acha muitas analogias entre a invenção musical de Bach e a música popular brasileira, e disso derivou o seu título enigmático.” (Mário de Andrade, As Bachianas, O Estado de S. Paulo – 23/11/1938)

Compostas por Villa-Lobos entre 1930 e 1945, as nove Bachianas destinam-se a formações diversas. A analogia entre o barroco e o folclore é reforçada pelos títulos duplos dos movimentos: Prelúdio (Ponteio), Fuga (Conversa), Ária (Modinha), Tocata (Catira), Giga (Quadrilha caipira).

Serviço

VI Circuito BNDES Musica Brasilis
São Paulo
Concertos celebrando Mário de Andrade

ROSANA LANZELOTTE (pianoforte)
Marcus Ribeiro (violoncelo)
Rômulo Barbosa (flauta)
Batista Jr. (clarinete)
Tony Botelho (contrabaixo)
Participação Marília Vargas (soprano)

Narração: Pascoal da Conceição, no papel de Mário de Andrade
Cenário multimídia: Muti Randolph e Dani Ferrari

Programa

DE BACH ÀS BACHIANAS

Mário de Andrade – fragmento de Na sombra das moças brasileiras (1925)

J.S. Bach – O Cravo bem temperado, vol. I – Prelúdio nº 1 (BWV 846)
H. Villa-Lobos – O Ginete do Pierrozinho (apresentado na Semana de Arte Moderna)
H. Villa-Lobos – Choros nº 2 (dedicado a Mário de Andrade)

Mário de Andrade – fragmento da crítica sobre Amazonas (1930)

H. Villa-Lobos – Sonhar
J.S. Bach – Prelúdio vol. I, nº 8 (BWV 883) (transcrição de Villa-Lobos)
H. Villa-Lobos – Melodia Sentimental (poema Dora Vasconcelos)

Mário de Andrade - fragmento da crítica sobre Villa-Lobos (Diário Nacional, 2/7/1930)

J.S. Bach – Fuga Vol. I, nº 10 (BWV 855) (transcrição de Villa-Lobos)
H. Villa-Lobos – A Lenda do caboclo

Mário de Andrade - fragmento da crítica sobre As Bachianas (1938)

J.S. Bach – Prelúdio vol. II, nº 14 (BWV 883) (transcrição de Villa-Lobos)
H. Villa-Lobos – Bachianas Brasileiras nº  1, II. Prelúdio (Modinha)

Mário de Andrade - fragmento da conferência O Artista e o Artesão (1938)

H. Villa-Lobos – Bachianas Brasileiras nº 2 – IV. Tocata (O trenzinho do caipira)
H. Villa-Lobos – Bachianas Brasileiras nº 5 – I. Aria (Cantilena) (texto Ruth Valadares Corrêa)

Centro Cultural São Paulo
Rua Vergueiro 1000, Paraíso, tel. 3397-4002

7 de Outubro, quarta-feira, 20:30 horas
Sala Jardel Filho (321 lugares)
Ingressos R$ 10,00 & R$ 5,00 (meia-entrada)
Vendas pela ingressorapido.com.br e na bilheteria

9 de Outubro, sexta-feira, 14 horas – concerto didático

Sala Adoniran Barbosa (622 lugares)
Entrada Franca
Ingressos disponíveis na bilheteria a partir de duas horas antes do espetáculo
Duração 70 minutos

Classificação etária Livre para todas as idades

Pin It